quarta-feira, 22 de Outubro de 2014

São só 29 +1


A um mês do meu aniversário e da festa que tenho preparada para mim e para a malta gulosa que me rodeia, já só penso em ideias para o meu bolo. Os 30 são uma data importante, assim como os 18 e os 25.
Nunca fui muito de bolos nem de cantar os parabéns, mas ando com umas ideias giras e não há melhor que o Pinterest para tirar dicas!

Paulinha




Pequenas Inspirações


Paulinha

terça-feira, 21 de Outubro de 2014

Eu queria estar sexy all day long


Sabem aqueles dias em que querem estar impecáveis até ao final da tarde? Se possível com a cara fresca e sem terem uma pinga de suor? Pois. Hoje era esse dia, em que eu tentei ao máximo fazer durar a minha frescura do meio dia para a tarde, mas impossível. Com este calor e com as correrias aqui no work, sinto-me com necessidade de um bom banho.
Esta semaninha de calor está a saber pela vida, mas sinto que não é um calor normal. Não é um calor de verão. É abafado e estranho.

Paulinha

Pequenas Inspirações


Paulinha

segunda-feira, 20 de Outubro de 2014

Brincar com o fogo



Eu acredito no Karma.
Acredito que aquelas pessoas que tanto nos lixam a vida um dia vão pagar. Um dia, ou noutra vida.
A verdade é que dia após dia, tento levar a vida de uma maneira mais positiva e alterar a minha maneira de reagir a certas situações e pessoas.

Infelizmente, o Karma está sempre presente, e eu já devia saber que quando tentamos fazer mal a alguem, a coisa nunca corre muito bem, e se corre, um dia cai nos em cima.

Tentei vingar-me de uma vaca. A vaca, a tal que falei nuns posts abaixo, mas a verdade é que me saiu o tiro pela culatra.
Estava eu a tentar ser tal e qual como ela é, quando me cortaram as asas e sem se quer notarem, deram me cabo do esquema todo. Fiquei lixada.
Só tiro uma lição daqui, não vale a pensa tentarmos ser como os outros são para nós, só dá merda.

Paulinha

A mentalização


Contem-me tudo, quem é que já deixou a preguiça de lado e a falta de tempo que o verão provoca, para voltar às rotinas?
Esta semana de calor é para me mentalizar, para a semana começam novamente os treinos!
Sabe-me sempre melhor treinar quando o tempo está merdoso. Quando o sol espreita, há sempre coisas a fazer, amigos com quem estar, jantaradas marcadas em cima do joelho e aquela vontade de trocar o ginásio por uma ida á praia, uma tarde de surf, uma cidra Somersby fresquinha e muitos mimos do L.

Paulinha

sexta-feira, 17 de Outubro de 2014

C'est La Vie

 
 
[Não se pode ter muitos amigos. Mesmo que se queira, mesmo que se conheçam pessoas de quem apetece ser amiga, não se pode ter muitos amigos. Ou melhor: nunca se pode ser bom amigo de muitas pessoas. Ou melhor: amigo. A preocupação da alma e a ocupação do espaço, o tempo que se pode passar e a atenção que se pode dar — todas estas coisas são finitas e têm de ser partilhadas. Não chegam para mais de um, dois, três, quatro, cinco amigos. É preciso saber partilhar o que temos com eles e não se pode dividir uma coisa já de si pequena (nós) por muitas pessoas.

Os amigos, como acontece com os amantes, também têm de ser escolhidos. Pode custar-nos não ter tempo nem vida para se ser amigo de alguém de quem se gosta, mas esse é um dos custos da amizade. O que é bom sai caro. A tendência automática é para ter um máximo de amigos ou mesmo ser amigo de toda a gente. Trata-se de uma espécie de promiscuidade, para não dizer a pior. Não se pode ser amigo de todas as pessoas de que se gosta. Às vezes, para se ser amigo de alguém, chega a ser preciso ser-se inimigo de quem se gosta.

Em Portugal, a amizade leva-se a sério e pratica-se bem. É uma coisa à qual se dedica tempo, nervosismo, exaltação. A amizade é vista, e é verdade, como o único sentimento indispensável. No entanto, existe uma mentalidade Speedy González, toda «Hey gringo, my friend», que vê em cada ser humano um «amigo». Todos conhecemos o género — é o «gajo porreiro», que se «dá bem com toda a gente». E o «amigalhaço». E tem, naturalmente, dezenas de amigos e de amigas, centenas de amiguinhos, camaradas, compinchas, cúmplices, correligionários, colegas e outras coisas começadas por c.
Os amigalhaços são mais detestáveis que os piores inimigos. Os nossos inimigos, ao menos, não nos traem. Odeiam-nos lealmente. Mas um amigalhaço, que é amigo de muitos pares de inimigos e passa o tempo a tentar conciliar posições e personalidades irreconciliáveis, é sempre um traidor. Para mais, pífio e arrependido. Para se ser um bom amigo, têm de herdar-se, de coração inteiro, os amigos e os inimigos da outra pessoa. E fácil estar sempre do lado de quem se julga ter razão. O que distingue um amigo verdadeiro é ser capaz de estar ao nosso lado quando nós não temos razão. O amigalhaço, em contrapartida, é o modelo mais mole e vira-casacas da moderação. Diz: «Eu sou muito amigo dele, mas tenho de reconhecer que ele é um sacana.» Como se pode ser amigo de um sacana? Os amigos são, por definição, as melhores pessoas do mundo, as mais interessantes e as mais geniais. Os amigos não podem ser maus. A lealdade é a qualidade mais importante de uma amizade. E claro que é difícil ser inteiramente leal, mas tem de se ser.]


Paulinha



Paulinha

Já só penso na próxima semana


Paulinha

quinta-feira, 16 de Outubro de 2014

Todos temos uma vaca na nossa vida


Ok, até podemos ter mais, mas não temos de aturar todas, e as que temos é por obrigação.
Tenho uma vaca na minha vida. Infelizmente, tenho mesmo de a aturar,ou melhor, tenho de a ouvir /ver com os seus comportamentos inaceitaveis e pouco (nada) profissionais.
Tenho uma vaca que não me dirigi a palavra. Que quando chego faz de conta que não ouviu o meu "Bom dia" ou até que nem me viu passar mesmo á frente do seu computador.
A inveja é um pecado mortal, mas ela parece que nunca mais desaparece.
Tenho uma vaca que em vez de me pedir algo que quer/precisa, vai falar com outras pessoas que trabalham comigo directamente e pedes-lhes a elas. Claro,que como não há no mundo - espero eu- ninguem como ela, as pessoas que me são leais, contam-me o que ela faz e pede.
Tenho uma vaca que desejava ser uma pessoa normal. Mas não é. E como não é, há que lidar com ela sendo vaca também.
Hoje, vou entregar-lhe aquilo que ela não teve coragem de me pedir, e mostrar-lhe que sei tudo o que ela me faz nas costas.

Paulinha

Pequenas Inspirações


Paulinha

Se a chuva por si só, já é uma chatice daquelas quando se anda na rua, a chuva que vem de todos os lados e que nos faz largar o guarda-chuva e apanhar a maior molha de sempre é que é top.
Vou começar a sair de casa com a capa de plástico que consegui arranjar em tam XXL num dos concerto dos Coldplay, e que me tapa da cabeça aos pés e até faz cauda.

Paulinha

quarta-feira, 15 de Outubro de 2014

Um dia viro Designer


E o que eu adoro inventar.
Por mim, estava sempre a mudar. Mudava as cores das paredes de acordo com a estação do ano ou a minha propria disposição. Mudava os moveis, mudava o chão.
Quero uma casa branca, com chão e portas brancas, como uma tela à espera da minha personalidade e humor.
Estes 15 dias em que a minha irmã viajou para o lado de lá do Mundo foram ideais para mudar o quarto dela. Mudar os moveis , as cores e a localização das coisas. Usar ideias fantásticas para criar um cantinho especial.
Amanhã ela chega, e vai ser tipo "Querido, mudei a casa".

Paulinha